A ELECTRICIDADE de Moçambique (EDM) está a investir no reforço da estrutura de 20 torres das 250 torres da linha primária de transporte de energia eléctrica em 380 megawatts (MW) entre Ressano e a Subestação do Infulene, numa extensão de 76 quilómetros.

Vinte e cinco anos após a sua implantação, as referidas torres apresentam sinais de corrosão, razão por que, segundo Celso Saete, director de Transmissão da EDM-Sul, os trabalhos em curso consistem na preparação das superfícies corroídas e aplicação de tinta anticorrosiva, usada para proteger betão e metais submersos ou enterrados.

“É uma linha que foi construída em 1972 e sofreu o impacto do conflito armado, tendo algumas torres sido atingidas. Havia necessidade de repor. Lembre-se que esta era única linha para o fornecimento de energia eléctrica à zona Sul. Impunha-se, por isso, que a EDM adoptasse soluções rápidas de reposição”, disse.

Foi assim que, há 25 anos, investiu-se na implantação das 20 torres então destruídas, usando uma tecnologia de grelhas que são de rápida intervenção, embora exijam um trabalho permanente de manutenção. Assim, nos próximos cinco anos a empresa vai fazer uma inspeção para aferir a efectividade da solução adoptada.

“Esta linha é uma espinha dorsal. Como devem saber, até 1999 era único circuito primário que assegurava o fornecimento de energia eléctrica à região Sul”, disse Saete.

Acrescentou que, com aquela linha de transporte fora de serviço, não haverá redundância no fornecimento de energia à zona Sul, sendo que, em caso de falha na linha que resta, a zona servida ficaria completamente às escuras. Por isso, é importante ter esta linha operacional e segura”, explica a fonte.

A Zona Sul do país possui cerca de 1600 quilómetros de linhas de transporte de energia eléctrica, 4.800 torres de apoio e 13 mil isoladores.

Nos últimos dois anos a EDM investiu cerca sete milhões de meticais para reparação de fundações tipo betão das linhas de 110Kv, que prolongam a vida útil da infra-estrutura e previnem a queda de torres como resultado da fragilidade da base.

(NOTICÍAS)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here