A ministra moçambicana de Educação e Desenvolvimento Humano, Conceita Sortane, defende uma monitoria contínua do professor como uma das formas que podem concorrer para melhorar a qualidade de ensino no país.

Falando em conferência de imprensa, hoje em Maputo, momentos após o encerramento do III conselho coordenador do Ministério de Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH), Sortane disse que os Serviços Distritais de Educação e Desenvolvimento Humano (SDEDHs) desempenham um papel importante para a prossecução das capacitações dos professores.

“De entre os demais factores que concorrem para a baixa qualidade de ensino e aprendizagem no país, a formação consecutiva do professor é vista como uma das saídas”, afirmou.

Os SDEDHs tem uma ligação directa e intrínseca com as Zonas de Influência Pedagógica (ZIPs) e estes com os alunos e encarregados de educação, pelo que, segundo a governante, o seu papel consiste em dar seguimento aos instrumentos estratégicos do sector, ora aprovados.

Na monitoria do professor, explicou, o Instituto de Desenvolvimento de Educação (IDE) tem uma função fundamental pois deverá pôr em prática os planos e programas de elevação da qualidade de ensino e aprendizagem para os alunos.

Apontou ainda que a Inspecção Geral de Educação deve desencadear a sua verdadeira função na busca de soluções para melhorar o ensino no país.

“É preciso saber como é que o professor, na sala de aulas, interage com os seus alunos”, disse Sortane.

Aliás, dados divulgados durante o evento indicam que até então foram capacitados cerca de quatro mil gestores de escolas e cerca de 24 mil professores em matérias de leitura e escrita iniciais e cálculo, no quadro da revisão pontual do currículo do primeiro ciclo do ensino primário.

Dados apontam ainda que, actualmente, frequentam cursos de formação de professores para o ensino primário um total de 8.931 formandos, dos quais 50 por cento são mulheres.

Sortane frisou que a prioridade do Governo está em prover uma educação de qualidade e que se traduza na aprendizagem dos alunos, num contexto de equidade e inclusão.

O III Conselho Coordenador, que teve o seu início na Quarta-feira, decorreu sob o lema ‘Por Uma Escola Inclusiva que Garante Aprendizagem Efectiva’.
(AIM)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here