Na Alemanha, milhares de refugiados estão à espera de que as suas famílias possam juntar-se a eles. Os parentes de muitos também se encontram na Europa, mas a burocracia impede que eles se movam de um país para o outro.

Em Colónia, a DW conheceu os irmãos Mouayyad e Abdulrahman Alissa. Há dois anos, eles sonham com a chegada dos seus pais, que atualmente vivem na Grécia, onde se encontram bloqueados pela burocracia, sem poder deixar o país.

Mouayyad e o seu irmão mais novo, Abdulrahman, gostam de viver em Colónia, a sua nova casa. Mas para a felicidade ser completa, eles dizem que falta o resto da família perto deles. Os dois irmãos viajaram da Síria pela rota dos Balcãs até chegar à Alemanha, em meados de 2016.

Desde então, Mouayyad e Abdulrahman estão à espera de que os seus pais se juntem a eles, legalmente.

“As pessoas aqui nos disseram que isto demoraria um ou dois meses”, conta Mouayyad.

Mas quase dois anos se passaram. Enquanto isso, Mouayyad é o responsável pelo irmão mais novo. Ele conversa com a sua família todos os dias pela internet. O pequeno diz que a mãe, Fathia Yaseen, pergunta-lhe sempre a mesma coisa:  “O que fizeste na escola hoje?”

Bloqueados na Grécia

O resto da família está a viver em Salónica, no norte da Grécia. Apesar da permissão das autoridades alemãs, eles ainda não conseguiram viajar para Colónia, por causa da burocracia grega. Milhares de refugiados encontram-se bloqueados na Grécia, após diversos países europeus terem encerrado as suas fronteiras em 2016. A mãe Fathia Yaseen sente saudades.

“É muito difícil. Eles estão tão longe. Eu gostava de lhes dar um abraço”, lamenta.

Para a família, voltar à Síria é algo impensável, mesmo depois que a guerra termine. Um dos filhos de Fathia morreu baleado em Aleppo quando tinha 22 anos de idade.

“Ainda sonho com ele. No último sonho, ele deitava a cabeça no meu colo e eu acariciava-lhe a barba. Eu disse-lhe, no sonho, que sinto muito a sua falta”, conta Fathia.

Os outros filhos de Fathia tentam manter a alegria da família. Amar, de 18 anos de idade, vai à escola em Salónica e tentou aprender alemão sozinha, na esperança de viver com os irmãos em Colónia. Mas ela está cansada de esperar:

“Já se passaram dois anos desde que vi os meus irmãos. Todos nós – a nossa mãe, os meus irmãos. É muito tempo”, considera Amar.

Em Colónia, os dois irmãos tentam ser pacientes. Assim como os pais de Mouayyad e Abdulrahman, cerca de 4.500 refugiados estão à espera para se juntarem às suas famílias na Alemanha.

Mouayyad tem uma mensagem para a sua família: “Tenho saudades e estou à espera de vocês”, desabafa.

Conflitos políticos

Cerca de 1.000 pessoas provenientes da Grécia com documentos falsos foram intercetadas nos aeroportos alemães entre janeiro e outubro deste ano.

A polícia grega atua com regularidade contra os ‘gangues’ especializados na falsificação de documentos, sobretudo sediados em Atenas, e que são fornecidos a troco de dinheiro aos requerentes de asilo que pretendem abandonar o país balcânico.

Em novembro, a polícia aeroportuária alemã reforçou os seus controlos, incluindo dos cidadãos alemães provenientes da Grécia, precisou fonte policial.

A imprensa alemã acusou recentemente a Grécia – que em 2016 acolheu cerca de 60.000 refugiados e migrantes no seu território – de “fechar os olhos” à saída do país de muitos requerentes de asilo, provenientes do Médio Oriente, Ásia ou África.

Estas alegações foram firmemente rejeitadas pelo ministério grego das Migrações.

A Alemanha permanece um destino privilegiado para os milhares de migrantes que se encontram bloqueados na Grécia, após diversos Estados europeus terem encerrado as suas fronteiras em 2016.

(Lusa)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here