Os casos de cólera no Iémen atingiram a barreira de um milhão e 80% da população do país, em guerra desde 2014, precisa de ajuda humanitária urgente, revelaram hoje duas organizações internacionais.

“Os casos suspeitos de cólera atingiram a barreira de um milhão, o que amplifica o sofrimento de um país que enfrenta uma guerra brutal”, indicou hoje o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) na sua conta do Twitter.

Várias organizações não-governamentais (ONG) que trabalham no país lamentaram, numa entrevista concedida na terça-feira à agência de notícias francesa AFP, que esta guerra permaneça “esquecida” pelo mundo.

Entre 27 de Abril e 08 de Novembro deste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) registou 913.741 casos suspeitos de cólera e 2.196 mortes ligadas a esta doença, apesar de os casos estarem a diminuir há algumas semanas.

A OMS advertiu, a 10 de Novembro, que a luta contra a cólera no Iémen arriscava sofrer “um revés sério” se o bloqueio ao país continuar.

“Nós fizemos progressos (no tratamento da epidemia), mas podemos ter um sério revés se não tivermos total acesso às zonas atingidas”, disse a porta-voz da OMS, Fadela Chaïb.

Já um relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), divulgado hoje no Cairo, referiu que o Iémen sofre a pior fome em toda a região do Médio Oriente norte de África, já que um quarto da população do país padece de insegurança alimentar grave e 36% uma fome moderada.

O índice de desnutrição grave das crianças menores de cindo anos alcançou 11%, mas esta taxa supera 15% em pelo menos quatro províncias do país, o que supõe que se encontram em situação “crítica”, e em outras sete regiões situa-se entre 10% e 15%.

O fornecimento de água, extremadamente limitado, também se deteriorou com a guerra, o que alimenta a violência no país.

A FAO alertou que cerca de dois milhões de crianças não estão escolarizadas, cerca de 27% do total do país.

O conflito no Iémen teve início no final de 2014, quando os rebeldes huthis tomaram a capital, Sanaa, e ganhou dimensão internacional desde que uma coligação de países árabe, liderada pela Arábia Saudita, começou a apoiar o Governo do Presidente Abd Rabu Mansur Hadi, em Março de 2015.

Segundo a ONU, o conflito já matou 8.750 pessoas, a maioria civis, desde a intervenção da coligação, que mantém um bloqueio ao país, não permitindo a entrada de carga humanitária e comercial sem uma prévia inspecção, o que gerou críticas das ONG.

(Lusa)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here