Um total de 360 mil pessoas podem ficar sem acesso a comida em Moçambique, entre Outubro e Março, de acordo com estimativas oficiais citadas hoje pela directora do Programa Alimentar Mundial (PAM), agência da ONU, no país.

O valor representa pouco mais que 1% dos 28 milhões de habitantes que se estima serem a população total do país.

“São pessoas que, entre Outubro e Março do próximo ano, vão ficar sem ‘stocks’ próprios de comida, proveniente das suas colheitas” e que vão ter dificuldade em ter acesso à alimentação no mercado por falta de rendimentos, referiu Karin Manente à Lusa.

Ainda assim, o número “é bem reduzido, quando comparado com o ano passado, em que havia 2,1 milhões de pessoas” na mesma situação – ou seja, sem capacidade para serem autossuficientes na sua alimentação até às próximas colheitas.

Este ano não houve seca e isso melhorou a situação, acrescentou.

Aquela responsável falava à margem da apresentação do novo plano estratégico do PAM para Moçambique nos próximos cinco anos, que aposta na criação de resiliência da população face à seca e outras consequências das mudanças climáticas.

Para apoiar as 360 mil pessoas que se prevê possam precisar de ajuda especial, o PAM deverá actuar entregando alimentos, mas também preparando as comunidades mais vulneráveis para serem autossuficientes – o que passa por melhorar processos agrícolas, de armazenamento ou comercialização.

Para já, o programa tem recursos para apoiar 200 mil pessoas, referiu a diretora nacional.

A previsão sobre a população que pode necessitar de ajuda especial é do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (Setsan).

Além das ajudas em períodos específicos, o Programa Alimentar Mundial estima que 80% da população não consiga ter acesso a uma dieta alimentar adequada e 42,3% das crianças com menos de cinco anos sofra de desnutrição.

(LUSA)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here